O Caminho de Santiago

Caminhando sob as estrelas

Poneis não, chinches malditos!

É, agora quefinalmente está chegando a hora de fazer o meu caminho, recebi a notícia através do grupo da AACS-Brasil que alguns refúgios, principalmente o de Foncebadón, estão com infestação de chinches nas camas.

Tá bom, eu também não sabia o que era esse tal de chinche, então fui dar uma “Googlada” pra ver se achava alguma informação, e aí está.

O maldito chinche é conhecido aqui no Brasil como percevejo. Mas ao contrário da Espanha, aqui não temos o tal de chinche de cama (Cimex lectularius). Por aqui vivem as espécies que vêm do mato (Cimex hemipterus,  Cimex pilosellus e Cimex pipistrella) e que não se alimentam de sangue humano, ficando restrita ao sangue dos animais.

A espécie encontrada na Espanha, e que infesta alguns refúgios de peregrinos, se alimenta SIM de sangue humano, e vive mem locais onde possa ficar próximo dos homens sem ser visto, como colchões, sofás, etc. Eles colocam os seus ovos nesses mesmos locais, e a proliferação é bem grande, podendo se tornar uma praga se não for controlado.

A proximidade das camas e o fato de alguns peregrinos não serem muito limpos só aumenta as chances de se arrumar um companheiro na viagem.

Combater a infestação do inseto não depende do peregrino, mas sim do hospitaleiro, que muitas vezes não toma os devidos cuidados com a higiene do refúgio.

O que fazer? Bom, já coloquei na minha cabeça que antes de parar em qualquer albergue ou refúgio peregrino, vou fazer uma pequena inspeção nas condições de higiene do local. Se for limpinho, dá pra encarar numa boa, mas se estiver meio ruim, melhor procurar outro, nem que seja na próxima cidade.

Fui! Sem chinches…

4 Comments

  1. No Canadá tem isso, se chama Bed Bug, quando aparece tem que jogar o colchão fora, é bem difícil de controlar. Aproveitando o assunto, tenho uma pergunta pra você: fomos pra Toronto outro dia e eu fiquei tão alucinada com a cidade, que andei mais do que meus pézinhos podiam suportar, fiquei com um monte de bolhas nos dedos que comprometeram metade da viagem, mesmo com band-aid doía muito. Durante sua caminhada, como vc vai fazer pra evitar isso e o que fazer quando elas surgirem? (aposto que vc ja pesquisou sobre isso… rsrs)
    Bjos

    • Rodrigo Barreto

      2 de setembro de 2011 at 11:30

      Oi Margá!! São esses mesmos, malditos Bed Bugs! To fazendo uma pesquisa extensa aqui pra saber como evitar que eles me ataquem, porque já coloquei na cabeça que em pelo menos uma das 30 noites eu vou acabar dormindo num colchão infestado com essas pragas. Já falaram pra andar com naftalina na mochila e na pochete, tomar própolis, complexo B, usar pulseira de citronela… Será que adianta? hahaha

      Sobre as bolhas, o tratamento indicado para os peregrinos é a drenagem e cobertura do local com curativo tipo band-aid. Não sei se isso se aplica a vc. Tem uma página aqui no site que fala sobre isso, as malditas bolhas, como elas se formam e como tratar. São tratamentos rápidos, indicados pra quem vai continuar caminhando mesmo com elas. Dá uma olhada no link abaixo.

      http://wp.me/P1KoKs-1A

      Agora falta pouco pra mim, 26 dias!! Vou esquecer a BR por um mês! Não vejo a hora!! hahaha

  2. Ótimas dicas sobre as bolhas!

    Qto as técnicas para afastar os Bugs, eu não sei se funcionam, mas minha mãe usa naftalina nas gavetas de colchas e lençoes pra afastar as traças, e isso funciona mesmo…

    • Rodrigo Barreto

      9 de setembro de 2011 at 9:49

      Vou fazer de tudo pra evitar os Bugs, mas acho que andar com naftaliza, além de fedorento, deve fazer mal a saúde, né? Acho que o mais garantido mesmo é dar uma boa inspeção no colchão antes de deitar, olhando todos os cantinhos onde eles podem se esconder.

      Também to mantendo contato com pessoas que estão lá no caminho agora pra saber onde é mais tranquilo passar a noite.

      Mais que isso não dá pra fazer, agora é deixar nas mãos de Deus mesmo.

      Oh! Só faltam 20 dias!! hahaha…

Deixe uma resposta